Site Overlay

Mulheres brasileiras na Copa do Mundo Feminina

​A Copa do Mundo de Futebol masculino para o mundo de quatro em quatro anos. O torneio de seleções mobiliza bilhões de pessoas ao redor do planeta. Entretanto, a realidade da modalidade feminina é bastante diferente. Pouca mídia e torcedores interessados. Contudo, ações encabeçadas por mulheres de diversos cantos do Brasil podem mudar essa situação no país.

A ​PEITA organizou o movimento “Jogue Como Uma Garota” para mobilizar mulheres para assistir aos jogos da seleção. A marca-protesto é famosa por produzir ferramentas de enfrentamento para ajudar as mulheres a lutar contra opressão diária. Bares de 21 cidades presentes em 14 estados brasileiros confirmaram a transmissão.

“Acho que em qualquer esporte o torcedor faz a diferença. Sempre precisamos de apoio fora de campo. Às vezes, quando estamos perdendo e o torcedor começa a cantar e a apoiar, nossa reação muda. Parece que temos mais força pra buscar o resultado”, afirmou a meia da seleção brasileira, Raquel Fernandez, em apoio a campanha organizada pela PEITA.

Outros grupos também movimentaram mulheres em todo o Brasil. Em São Paulo, o Museu do Futebol criou um espaço, no Pacaembu, com capacidade para cerca de 100 pessoas acompanharem a partida. Integrantes da União Brasileiras de Mulheres (UBM) e do Movimento Toda Poderosa Corinthiana vão estar presentes.

Os coletivos marcaram para assistir as partidas da seleção brasileira. O Mundial Feminino começou nessa sexta-feira (7) e vai até o dia sete de julho. O Brasil vai a campo neste domingo (9), no Stade des Alpes, na França, às 10h30 (de Brasília). O confronto contra a Jamaica vai ser transmitido pela Rede Globo, que vai cobrir todos os jogos de Marta e companhia. A Band e SporTV também vão transmitir o torneio.

A marca Minas de Estádio também vai reunir coletivos de torcidas da cidade de São Paulo para acompanhar a estreia do Brasil em um bar no Bairro da Mooca. Diversas torcedoras do Movimento Alvinegras, Verdonnas, São Pra Elas e Bancadas das Sereias vão assistir no Bar Zero11, na Rua Juventus, 119, a partir das 9h30 (de Brasília).

O Grupo indica que as mulheres acompanhem as transmissões em locais geridos por outras mulheres, com o objetivo de fortalecer tais ambiente. Cada evento é independente e livre. A campanha também aponta que a iniciativa deve ser abraçada por todos os gêneros.

No Nordeste, o Movimento Coralinas, feito de feministas torcedoras do Santa Cruz, também marcaram de assistir a partida em Recife. A expectativa da organização da Copa do Mundo Feminina é superar a última edição da competição realizada em 2015.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.